Cresce o número de mulheres com seguro para motos

O perfil dos motociclistas brasileiros está mudando. Nos últimos cinco anos, houve um crescimento de mais de 30% no número de mulheres abaixo de 35 anos contratando seguros para motocicletas na SulAmérica. Atualmente, as brasileiras representam 17% do total de segurados com este tipo de veículo. Os números são de um estudo inédito da companhia divulgado na última quarta-feira (27), quando foi comemorado nacionalmente o Dia do Motociclista.

No Estado do Tocantins, o público feminino já é mais representativo que o masculino, somando aproximadamente 55% do total de condutores de motos seguradas pela empresa. No Rio de Janeiro, por outro lado, 90% dos segurados da categoria são homens.

O Estado que concentra a maior quantidade de motos na carteira da seguradora, atualmente, é Minas Gerais, que responde por quase 15% do total e que, nos últimos cinco anos, também apresentou 15% de crescimento. Em seguida, estão São Paulo, com 14%, e Pernambuco, com 10%.

O seguro para motocicleta também é a segunda categoria mais contratada por homens abaixo de 35 anos. Quase 30% dos seguros SulAmérica Auto para o público masculino nessa faixa etária são de moto. Em primeiro lugar, são os carros de passeio, com 64%.

Fonte: Revista Apólice


 

Seguro contra inadimplência de mensalidade escolar cresce 35%

O atual momento econômico exige que pais e escolas busquem alternativas para evitar a inadimplência e garantir a continuidade dos estudos de crianças e adolescentes.Nesse cenário, o seguro educacional ganha espaço, consolidando-se como uma solução viável e cada vez mais utilizada.No Grupo BB e Mapfre, o produto registrou alta de quase 35% no 1º semestre de 2016 ante o mesmo período de 2015.O diretor geral de seguro de Vida, Enrique de la Torre, explica que o seguro educacional surgiu para apoiar as famílias nessas situações.“O produto foi criado como uma ferramenta de proteção para os pais que, diante de uma eventualidade, podem garantir a continuidade dos estudos de seus filhos”, comenta.Com preço médio de 1% a 3% do valor da mensalidade escolar, o contrato garante o pagamento das parcelas mensais em casos de morte, invalidez e perda de renda do responsável financeiro do estudante.“Concebido para funcionar como um suporte em situações de adversidade, o seguro apresentou crescimento por conta do atual cenário econômico do País, mas deve ser considerado em todas as circunstâncias e fases escolares justamente como garantia de continuidade em situações não programadas pela família”, completa De la Torre.Ele esclarece ainda que esse tipo de proteção cumpre uma dupla função, pois, além de garantir a continuidade da educação do aluno, com o pagamento das mensalidades até o período contratado, também funciona como uma alternativa para a redução da inadimplência das escolas.Segundo dados do Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino de São Paulo (Sieeesp), no mês de julho a falta de pagamento das parcelas nas instituições do setor atingiu 11,12%, maior índice desde o início do ano.De la Torre pondera que esse tipo de apólice é contratada pela instituição de ensino que, posteriormente, decide se incluirá parte do custo do seguro nas mensalidades escolares.FonteRevista Apólice
 

Informativo da Saúde • Estresse

É a reação do corpo diante da sensação de ameaça ou euforia, desencadeando uma descarga muito alta de adrenalinaO ESTRESSE SE DESENVOLVE EM 4 ESTÁGIOSFASE 01 ALERTAocorre quando o indivíduo entra em contato com agente estressor. FASE 02 RESISTÊNCIAo corpo tenta voltar ao seu equilibrio. O organismo pode se adaptar ao problema ou eliminá-lo FASE 03 • QUASE EXAUSTÃOaumento dos sintomas, isolamento, depressão, produtividade baixa.FASE 04 • EXAUSTÃO ESTRESSE CRÔNICOnessa fase podem surgir diversos comprometimentos físico em forma de doenças. SINTOMAS DO ESTRESSE• Dificuldade de pensar com clareza (as vezes dá um branco);• Dificuldade de lidar com sentimentos e emoções (exagero em fatos simples ou passividade em fatos graves); • Dificuldade de memória • Dificuldade de dormir (não consegue se desligar);• Descoordenação motora (pelo cansaço físico e tensão emocional);• Agressividade física e mental (ficar sem paciência);• Depressão (ponto final do estresse com a perda de motivação – não consegue elaborar nem realizar mais nada na vida) ALGUNS FATORES QUE PODEM AJUDAR A EVITAR O ESTRESSE• Alimentar-se de forma balanceada;• Praticar atividades físicas;• Mudar a maneira que nos posicionamos no dia a dia (uma postura melhor);• Procurar rir mais;• Fazer sexo;• Dormir melhor;• Respirar direito;• Auto incentivar-se;• Usar menos o celular;• Aprender novas maneiras de aproveitar seu tempo;• Cuidar de si mesmo;• Mudar algumas formas de pensar;• Falar sobre suas necessidades e preocupações;• Pedir ajuda.CONSEQUÊNCIAS NO TRABALHO• Queixas frequentes;• Atrasos, • Doenças e outros motivos de afastamento;• Frequência de acidentes;• Conflito constantes entre as pessoas, equipes e chefia; • Frustração; • Ambiente hostil;• Queda na produtividade;• Desmotivação;• Desinteresse
 

Informativo da Saúde • Dezembro Vermelho

O QUE É HIV/AIDS? A AIDS é uma doença infecciosa, transmitida pelo vírus HIV. Segundo dados da Secretaria de Estado da Saúde, do Ministério da Saúde e do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS), a cada 15 minutos uma pessoa se infecta com o vírus no Brasil e sete pessoas morrem por dia em São Paulo. “Um dos motivos de ter aumentado o número de pessoas infectadas com o vírus do HIV/AIDS é o hábito de não usar camisinha.” HIV é mais presente entre os jovens e contágio por ato sexual predomina. Assim pega – Sexo vaginal sem camisinha; – Sexo anal sem camisinha; – Sexo oral sem camisinha; – Uso de seringa por mais de uma pessoa; – Transfusão de sangue contaminado; – Da mãe infectada para seu filho durante a gravidez, no parto e na amamentação; – Instrumentos que furam ou cortam não esterilizados. O uso da camisinha nas relações sexuais continua sendo o método mais seguro. Assim não pega – Sexo desde que se use corretamente a camisinha; – Masturbação a dois; – Beijo no rosto ou na boca; – Suor e lágrima; – Picada de inseto; – Aperto de mão ou abraço; – Sabonete/toalha/lençóis; – Talheres/copos; – Assento de ônibus; – Piscina; – Banheiro; – Doação de sangue – Pelo ar. Como receber o tratamento Quem precisa de orientação ou quer esclarecer dúvidas sobre AIDS e outras DSTs (doenças sexualmente transmissíveis) pode ligar no 0800 162550, serviço telefônico gratuito da Secretaria de Estado da Saúde. O canal gratuito de escuta traz acesso à informação, orientação e aconselhamento sobre práticas de sexo seguro, serviços especializados para realização de teste anti-HIV e instituições governamentais e não governamentais que atuam na defesa dos direitos dos portadores de DST/HIV/AIDS. Quanto antes a pessoa descobrir ser portadora do HIV, mais chances de sucesso terá o tratamento. Por outro lado, 260 mil pessoas sabem que têm o vírus, mas não estão fazendo o tratamento correspondente. Enquanto no mundo o número de casos caiu 11%, no Brasil houve aumento de 3%. A estimativa é que 827 mil pessoas estão vivendo com o vírus HIV no Brasil. As campanhas atuais buscam não apenas a conscientização das pessoas, mas combater o preconceito, incentivar o diagnóstico e a necessidade de tratamento.