Estudo aponta benefícios da redução do tempo de internação

Entre 27 e 30 de setembro, médicos, pesquisadores e lideranças da saúde se reuniram no Guideline International Network, conferência internacional que este ano aconteceu na Philadelphia (EUA).

A Amil palestrou no evento e apresentou os resultados de um projeto que alcançou índices de redução de até 17% no tempo médio de internação hospitalar dos pacientes, gerando queda no risco de intercorrências médicas inerentes ao ambiente hospitalar.

A apresentação do modelo de apoio à gestão clínica, iniciado pela empresa em maio de 2015, ficou a cargo da médica e pesquisadora Maria Elisa Pazos.

Com o auxílio de uma plataforma de guidelines e recomendações que sinalizam as melhores práticas para cuidado do paciente, a empresa utilizou o conceito da medicina baseada em evidências para auxiliar seus médicos na tomada de decisões assistenciais.

A implementação do modelo resultou em uma redução de 17% no tempo médio de permanência hospitalar, em São Paulo, e de 8% nas unidades do Rio de Janeiro.

A pesquisadora destaca que a redução representa um ganho expressivo aos pacientes, uma vez que, fora do ambiente hospitalar, ficam submetidos a menos riscos. É o que comprova uma pesquisa realizada nos hospitais públicos do estado de Victoria, na Austrália, com mais de 200 mil pacientes internados em 2005 e 2006.


Riscos

O estudo concluiu que o fato de ser internado já gera um risco de infecção hospitalar de 17,6%, enquanto as chances de ter uma reação adversa a medicamentos são de 5,5% e a probabilidade de desenvolvimento de úlceras de pressão é de 3,1%.

A cada noite adicional em um hospital, o risco de infecção cresce 1,6%, e o de reação e úlceras, 0,5%. Ao cruzar a redução do tempo de internação obtida em seus hospitais no Brasil com os indicadores da pesquisa feita na Austrália, a Amil estima que cerca de 1.250 eventos como esses podem ter sido evitados na sua rede no ano de 2015.

“Com a nova prática e o uso da ferramenta, nossa proposta foi que o paciente ficasse internado o tempo realmente necessário para a sua recuperação, simultaneamente garantindo o melhor desfecho clínico dentro das diretrizes indicadas para o seu caso”, explica Maria.

Fonte
Revista Apólice

 

INFORMATIVO DA SAÚDE • CÂNCER DE PELE

Com mais de 175 mil novos casos por ano, segundo o Instituto Nacional de Câncer (Inca), o câncer de pele é o de maior incidência no Brasil. Estima-se que 1 entre cada 4 casos de câncer diagnosticados se origine na pele ou nas mucosas.Curável, em sua grande maioria, quando detectado precocemente, o câncer de pele é causado pelo crescimento anormal e descontrolado das células que compõem a pele. Existem diversos tipos de câncer de pele, divididos em dois grupos principais: os melanomas e os carcinomas(também conhecidos como “câncer de pele não-melanoma”).As características dos melanomas e dos carcinomas são bem distintas, desde o aspecto da lesão até o prognóstico. Confira a seguir:CARCINOMASOs carcinomas da pele estão relacionados diretamente com grande exposição aos raios ultravioleta (UV) do sol durante a vida. São encontrados com maior frequência em pessoas com pele clara. Alguns tipos de carcinoma de pele podem estar relacionados à infecção por certos tipos de vírus. Costumam se manifestar como asperezas na pele ou como pequenas feridas que sangram facilmente e não cicatrizam. Quase sempre se localizam nas áreas de pele exposta ao sol diariamente (rosto, orelhas, careca, ombros, etc), mas podem surgir em qualquer local. São mais comuns em pessoas de pele clara, com mais de 50 anos. Não costumam doer, mesmo em fases mais avançadas.ALGUNS FATORES DE RISCOExposição  Solar Histórico familiar ou pessoalIdadeImunidade EnfraquecidaMELANOMAO melanoma é menos frequente (5%) que outros tumores de pele, porém costuma ter comportamento mais agressivo. Tem origem a partir dos melanócitos, que são as células responsáveis pela produção do pigmento (melanina) que dá cor à pele. Por isso, costumam se manifestar como pintas de cor escura (negro ou castanho).ALGUNS FATORES DE RISCOBronzeamento ArtificialHistórico familiar ou pessoalPintas no CorpoExposição intensa ao solALGUNS CUIDADOS BÁSICOS:• Evitar o sol entre 10h e 16h;• Não fazer bronzeamento artificial;• Usar protetor solar de no mínimo 30 FPS;• Reaplicar o protetor a cada 2 horas;• Utilizar chapéu, bonés, roupas compridas ou de trama fechada;• Manter uma boa hidratação da pele.Para saber mais acesse:http://www.sbd.org.br/dermatologia/pele/doencas-e-problemas/cancer-da-pele/64/
 

Informativo da Saúde • Benefícios da Àgua

A água é um recurso essencial para a sobrevivência de todos os seres vivos. Ela atua mantendo nosso corpo hidratado, ajuda no transporte de substâncias, regula a nossa temperatura e participa de reações químicas.A IMPORTÂNCIA DA HIDRATAÇÃOAjuda a prevenir a constipaçãoUmedece tecidos da boca, olhos e nariz.Evita inchaço e retenção de líquidos.Auxilia na absorção de diversos nutrientes.Diminui o desgaste dos rinsAuxiliando na eliminação de diversas substâncias.DICASColocar rodelas de limão, hortelã ou frutas vermelhas na água pode ser um bom incentivo para ingerir mais líquidos.Inclua na sua dieta alimentos como frutas, sucos de frutas, verduras e legumes.
 

Informativo da Saúde • Carnaval Seguro 2019

Doenças Sexualmente Transmissíveis As (DST) são causadas por vários tipos de agentes. São transmitidas, principalmente, por contato sexual sem o uso de camisinha, com uma pessoa que esteja infectada e, geralmente, se manifestam por meio de feridas, corrimentos, bolhas ou verrugas. HIV/AIDS Aids, ou Síndrome da Imunodeficiência Adquirida, é uma doença infecto-contagiosa causada pelo vírus HIV (Human Immunodeficiency Virus), que leva à perda progressiva da imunidade. A doença caracteriza-se por um conjunto de sinais e sintomas advindos da queda de defesa imunológica do organismo.TRANSMISSÃO HIV/AIDS• Relações Sexuais (vaginal, oral e anal) sem o uso correto da camisinha;• Transfusão de sangue (ou derivados) contaminados;• Uso de drogas injetáveis, utilizando agulhas ou seringas de pessoas infectadas;PEP SEXUAL - PROFILAXIA PÓS-EXPOSIÇÃO• É uma forma de prevenção da infecção pelo HIV usando os medicamentos que fazem parte do coquetel utilizado no tratamento da Aids, para pessoas que possam ter entrado em contato com o vírus recentemente.• Essa forma de prevenção já é usada com sucesso nos casos de violência sexual e de profissionais de saúde que se acidentam com agulhas e outros objetos cortantes contaminados.PREVENÇÃO: PRESERVATIVOS (MASCULINO/FEMININO).IMPORTANTE: Somente um médico pode diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. As informações disponíveis em Dicas em Saúde possuem apenas caráter educativo.Atenção: No caso de um possível contato com o vírus HIV, busque, o quanto antes, um serviço credenciado. Esse primeiro atendimento é considerado de urgência porque o uso dos medicamentos deve começar o mais cedo possível. O ideal é que comece a tomar a medicação em até 2 horas após a exposição ao vírus HIV e no máximo após 72 horas. A eficácia da PEP pode diminuir à medida que as horas passam.