HEPATITES VIRAIS

28 de Julho
Dia Internacional de combate ás HEPATITES VIRAIS

Considerada um problema mundial de saúde pública, a hepatite pode levar a problemas hepáticos graves causando a morte.

Pode ser causada por vírus ou pelo uso de alguns remédios, álcool e outras drogas, assim como por doenças autoimunes, metabólicas e genéticas.

SINTOMAS

• cansaço
• febre
• mal-estar
• tontura
• enjoo
• vômitos
• dor abdominal
• pele e olhos amarelados
• urina escura
• fezes claras.

FORMAS DE TRANSMISSÃO: 

• Hepatites A e E: situações precárias de saneamento básico, água e higiene pessoal e de alimentos leva ao risco do contágio fecal-oral. Quem tem hepatite A ou E pode se curar, eliminando o vírus do organismo.

• Hepatite B, C e D: praticar sexo sem proteção, compartilhar seringas, agulhas, lâminas de barbear, alicates de unha e outros objetos que furam ou cortam.O vírus pode passar da mãe para o filho durante a gravidez, o parto e a amamentação.

HEPATITES

O DIAGNÓSTICO PRECOCE É O PRIMEIRO PASSO PARA A CURA

• No Brasil, as hepatites virais mais comuns são as causadas pelos vírus A, B e C. Existem, ainda, os vírus D e E, esse último mais frequente na África e na Ásia.

• Milhões de pessoas no Brasil são portadoras dos vírus B ou C e não sabem. Elas correm o risco de as doenças evoluírem (tornarem-se crônicas) e causarem danos mais graves ao fígado, como cirrose e câncer. Por isso, é importante ir ao médico regularmente e fazer os exames de rotina que detectam a hepatite.

• Em novembro de 2017, o Brasil anunciou o Plano Nacional para Eliminação da Hepatite C até 2030 com a oferta de tratamento para todos. A expectativa é tratar 657 mil pessoas nos próximos anos.

PREVENÇÃO E PROTEÇÃO

• Não compartilhar objetos de uso pessoal como seringas e agulhas, lâminas e alicates.
• Usar material descartável para colocação de piercing e realização de tatuagens.
• Certificar-se que os equipamentos cirúrgicos e odontológicos tenham sido esterilizados quando não puderem ser descartados.
• Usar camisinha em todas as relações sexuais é uma medida de proteção muito importante contra a Hepatite B.

 

Susep identifica 277 empresas que vendem seguros piratas em 18 estados

Um milhão de motoristas em todo o país fizeram o chamado seguro pirata para o carro, contratando cooperativas e associações de classe. A estimativa é do Sindicato Nacional dos Corretores de Seguros (Sincor). As apólices são, em geral, 60% mais baratas do que as de seguros oficiais. Segundo a entidade, o problema começa quando o segurado precisa usar o serviço, por causa de um sinistro como acidente ou roubo. A Superintendência de Seguros Privados (Susep) mapeou a ação das associações e cooperativas que vendem seguro irregular em todo o país. Foram identificadas 277 entidades que vendem a chamada Proteção Automotiva, principal segmento em que atuam, em 18 estados. Outras 23 empresas são conhecidas, porém, suas sedes ainda não foram identificadas. “Essas associações e cooperativas não são fiscalizadas pela Susep, responsável por fiscalizar o setor, e o segurado não tem nenhuma garantia de recebimento da indenização, em caso de sinistro.” — explica Dorival Alves, vice presidente do Sincor-DF. A Susep informou que, caso o consumidor tenha contratado um produto de cooperativas e associações que atuam no mercado marginal, deve não somente buscar a Justiça como também fazer uma denúncia ao órgão. “Os consumidores são atraídos pelos preços baixos, mas é um risco enorme.” — avalia Henrique Brandão, presidente do Sincor-RJ. No site da Susep (http://www.susep.gov.br/), há um link de consulta das seguradoras autorizadas. Além disso, é possível verificar as condições contratuais de apólices, por meio de seu número de processo, e a situação cadastral do corretor, com do número de seu registro. Fonte: O Globo
 

Bicicletas de alto valor agregado possuem seguro

Na contramão do setor de bicicletas, que apresentou queda de 30% na produção, as chamadas “bikes de alto valor agregado” tem despertado o interesse dos consumidores.A fabricação desses modelos – que envolvem as categorias Esporte/Competição, Recreação/Lazer e Mobilidade Urbana – aumentaram sua participação no mercado de 26,5% em 2006 para 40,6% em 2013, segundo dados da Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares (ABRACICLO). No caso específico das bicicletas voltadas para a categoria Esporte & Competição os investimentos em produtos mais leves e com maior tecnologia elevaram muito o valor das bikes, que podem apresentar preços entre R$ 3 mil e R$ 60 mil. Apesar do alto investimento, estima-se menos de 10% dessas bicicletas tenham seguro. De olho nesse mercado, uma seguradora desenvolveu um produto para proteger as bikes desse segmento. Por exemplo, se um ciclista investir R$ 3 mil em peças para incrementar uma bicicleta avaliada em R$ 4 mil, ele poderá fazer o seguro de R$ 7 mil. Para isso, basta enviar as notas fiscais das peças alteradas e esperar pela confirmação da seguradora que o valor total da bike foi incrementado.As coberturas são para roubo e furto qualificado, acidentes e danos causados a terceiros e alcançam todo o território nacional.Fonte: Revista Apólice
 

Chubb anuncia venda da carteira de automóvel

A Chubb e Porto Seguro estão anunciando o acordo de venda da carteira do negócio de automóvel para alta renda do Brasil.As empresas chegaram a um acordo de venda que permitirá à Chubb concentrar-se em seu core business e à Porto Seguro consolidar sua carteira de produtos existente.A venda da carteira de automóvel está alinhada à estratégia corporativa de focar no negócio de P&C, Acidentes Pessoais, Middle Market e Life. Esta é uma decisão extremamente importante para os negócios da ambas as empresas.A transação está sujeita à aprovação regulatória. Até a conclusão definitiva desse processo, a carteira de seguros de automóveis da Chubb continuará a ser normalmente, e de forma independente, operada pela Chubb.Apenas após a conclusão desse processo, a Chubb trabalhará no processo de transição dos negócios para a Porto Seguro.