HIV/DST

As doenças sexualmente transmissíveis (HIV/AIDS) não representam riscos durante as relações sexuais desde que você se proteja com o uso do preservativo, em qualquer tipo de relação sexual.

Assim pega!
  • Relações sexuais (vaginal, oral, anal) sem o uso correto da camisinha;
  • Na transfusão de sangue (ou derivados) contaminados;
  • No uso de instrumentos contaminados que furam ou cortam e que não sejam esterilizados;
  • Uso de drogas injetáveis, utilizando a mesma agulha ou seringa de alguém infectado;
  • Leite Materno através da amamentação, (com mãe infectada).

Assim não pega!
  • Relação sexual com uso correto de camisinha;
  • Beijos na boca ou no rosto; Contato com suor ou lágrimas;
  • Picada de inseto; Talheres ou copos;
  • Aperto de mão ou abraço; Assento de ônibus;
  • Piscina ou banheiro; Sabonetes, toalhas ou lençóis.
  • Doação de sangue.

Neste carnaval não esqueça de usar preservativo. Previna-se!
 

29 de maio - Dia Mundial da Saúde Digestiva

Ajustes no estilo de vida favorecem a saúde do estômagoBons hábitos alimentares, associados a certos cuidados, podem proteger seu estômago ou, pelo menos, atenuar sintomas quando já existem doenças gástricas instaladas. Até porque nem sempre é possível evitar todos os fatores que as causam.VEJA, PORTANTO, COMO AJUDAR1. Fracione a alimentação, comendo a cada três horas, para que o ácido presente no estômago sempre tenha utilidade. 2. Evite comidas gordurosas, que exigem produção de muito suco gástrico e maior gasto de energia atrapalhando outras funções.3. Capriche no café da manhã e jante com paciência. A ingestão alimentar deve acompanhar o rítmo do dia.4. Mastigue bem os alimentos. A digestão começa na boca.5. Não fume. O cigarro causa danos a todo o aparelho digestório.6. Só vá para a cama 90 minutos depois de comer.7. Tome cuidado com a automedicação. Há remédios que irritam a mucosa gástrica, como os antinflamatórios.8. Reduza o estresse do dia a dia, que também estimula a produção de acidez. O QUE PROVOCA QUEIXAS1. Doenças do refluxo gastroesofágicoRetorno do conteúdo do estômago para o esôfago, caracterizando azia.2. GastriteInflamação na mucosa gástrica que ocasiona dor3. ÚlceraLesão na mucosa do estômago que causa dor e pode perfurar a parede da região.
 

Um carro é roubado a cada minuto no Brasil

Entre 2014 e 2015, mais de um milhão de veículos foram roubados ou furtados no Brasil, o que dá uma impressionante média de um caso a cada um minuto. Os dados são do 10º Anuário Brasileiro da Segurança Pública, divulgado no dia 3 de novembro pelo Fórum Brasileiro da Segurança Pública.Apesar do número alarmante, 2015 registrou uma pequena queda no número absoluto de ocorrências. Tanto no ano passado, como em 2014, foram roubados 242 mil carros. Já os furtos caíram de 270 mil para 267 mil.Importante frisar que roubo é quando há contato do assaltante com a vítima, que usa violência ou amaça para praticar o crime. Furto é quando não há esse contato.Na soma de roubos e furtos, foram 513 mil casos, em 2014, e 509 mil, em 2015. Como houve crescimento da frota, a taxa de 2015 ficou em 562 veículos roubados por cada 100 mil registrados no país, menor que em 2014, quando a taxa era de 591 por 100 mil veículos.Roubo e furto de veículos2014 – 513.023 (591,7 por 100 mil veículos)2015 – 509.978 (562,4 por 100 mil veículos)A maior taxa de roubo/furto do país está em Goiás, onde foram 798 veículos tomados em 2015 por cada 100 mil. Rio de Janeiro (775 por 100 mil) e São Paulo (711) vêm logo em seguida e fecham o top 3 de Estados com mais furtos e roubos.Em números absolutos, São Paulo é o Estado com o maior número de roubos e furtos, com 189 mil casos de 2015 –queda de 14,5% ao ano anterior, quando foram subtraídos 221 mil veículos.Previna-se: Faça seu seguro com a APR Seguros.Acesse: www.aprseguros.com.brFontePortal UOL
 

Soluções para enfrentar a crise na saúde

A discussão em torno do impacto da crise para o sistema de saúde envolve vários setores da sociedade. Por essa razão, a Proteste Associação de Consumidores realizou, no dia 30 de agosto, em São Paulo, o XIV Seminário Internacional Proteste de Defesa do Consumidor, que reuniu especialistas do Brasil e do exterior para debater os impactos para o setor de saúde suplementar e para o SUS. As ações do setor regulado para superar a crise foram apresentadas por Sandro Leal, superintendente da Federação Nacional de Saúde Suplementar (FenaSaúde). De acordo com Leal, emprego e renda são os principais combustíveis do mercado de saúde suplementar e o atual cenário econômico motivou a saída de 1,7 milhão de beneficiários, nos últimos doze meses. “A saúde suplementar desacelerou em sintonia com a retração da atividade econômica”, analisou. Segundo Sandro, essa situação é preocupante, porque a saúde suplementar segue as regras do mutualismo, que tem como princípio a solidariedade entre pessoas com um interesse em comum.  “Para viabilizar o acesso aos serviços, os interessados se associam em uma carteira de beneficiários, contribuindo para um fundo comum, administrado pelas operadoras de planos de saúde”, explicou. “Com a crise, o cobertor ficou menor. Com menos beneficiário, tem menos gente para dividir”. Para o superintendente da FenaSaúde, o momento exige novas regulações com critérios de custo/benefício para que sejam avaliados os impactos regulatórios previamente à edição de novas regras. Em sua avaliação, uma das saídas para contornar a crise econômica é o desenvolvimento de novos produtos, como planos com coparticipação,  franquia, acumulação e desenho de produtos mais acessíveis. Leal também defende o controle de custos, a redução de desperdícios e a coibição de fraudes. Planos individuais – Durante o evento, foi apresentada a pesquisa Proteste com usuários de planos individuais. De acordo com o levantamento, 61% dos entrevistados já tentaram contratar um plano de saúde nos últimos dois anos; 49,6 % têm pré-disposição de readquirir e 81% não encontraram dificuldade para contratar o plano. A pesquisa foi realizada em julho em todo o Brasil. O seminário ainda debateu o panorama da saúde e seus reflexos para o consumidor, que contou com a participação de Paulo Furquim, coordenador do Centro de Estudos em Negócios do Instituto de Pesquisa (Insper); e José Antônio Sestelo, pesquisador do Grupo da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Também participaram das discussões a jornalista Luciana Casemiro, responsável pela Coluna de Defesa do Consumidor do jornal O Globo; Kenys Menezes Machado, superintendente adjunto do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade); José Luiz Bonamigo Filho, primeiro tesoureiro da AMB; Lígia Bahia, professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro; e José Carlos de Souza Abrahão, presidente da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS); e Maria Inês Dolci, coordenadora Institucional da PROTESTE, que encerrou o evento. A.C. Revista Apólice