Informativo da Saúde • Febre Amarela

Como a febre amarela é tratada?
Não existem medicamentos específicos para destruir o vírus, reverter o quadro clínico e evitar as complicações da febre amarela. O paciente deve permanecer em repouso, em ambiente hospitalar e sob cuidados médicos para evitar as complicações graves da doença. O uso de remédios que contenham ácido acetilsalicílico (AAS) é contraindicado, porque aumenta o risco de sangramentos.
Nos casos mais graves, o paciente pode necessitar de diálise e transfusões de sangue.


Dependendo da gravidade, a pessoa pode sentir:

Febre, dor de cabeça, calafrios, náuseas, vômito, dores no corpo, icterícia (pele e olhos amarelos), hemorragias (de gengiva, nariz, estômago, intestino e urina), pulso lento X temperatura elevada (sinal de Faget), prostração, perturbação mental, torpor, com evolução para coma e morte.

Como a doença pode ser evitada?
A única forma de evitar a Febre Amarela é através da vacinação.

Distânciade áreas de risco
• Evitar áreas de mata com registros da doença; caso vá viajar a esses locais, tome a vacina ao menos dez dias antes
• Uso de Telas em janelas para evitar o mosquito

VACINAÇÃO
Crianças: A partir dos 9 meses(6 meses em áreas de risco)
Adultos não vacinados: uma dose.


Contra indicações:
• Pessoas que sofrem de alergia severa à ovo;
• Pessoas que possuem doença imunossupressoras ( significa que as pessoas que por alguma razão estejam com o sistema imunológico comprometido por quaisquer doenças ativas que cursem com imunossupressão e/ou pelo uso de quaisquer medicamentos que levem à imunodepressão - como quimioterápicos ou corticoides em altas doses- não devem receber a vacina).

Para evitar picadas
• Repelente (evitar os que também têm protetor solar);
• Aplicar o protetor antes do repelente;
• Não usar repelentes em crianças com menos de 2 meses;
• Evitar perfume em áreas de mata;
• Usar roupas compridas e claras;
• Mosqueteiros e telas.

Em caso de suspeita de febre amarela procurar atendimento médico.

 

Lei de licitações deverá exigir seguro para obra pública

O senador Fernando Bezerra Coelho (PSB-PE) afirmou que o projeto de revisão da Lei de Contratos e Licitações que está sendo discutido no Senado vai determinar que licitações para obras públicas apresentem apólices de seguro para garantir a execução dos contratos. “Estamos trazendo o seguro de obra pública, mecanismo que existe em países desenvolvidos como os Estados Unidos, o mercado europeu e o Japão. Em vez de trabalhar com cauções, que são 1% do valor da obra, trazem problemas na execução da obra e levam o poder público a relicitar sempre a um preço mais caro, queremos criar condições. Temos falado com a indústria de seguros, que está nos ajudando na elaboração de uma proposta que seja factível e efetiva”, disse Coelho. A proposta também deve manter o Regime Diferenciado de Contratações (RDC) para obras acima de R$ 500 milhões. O RDC é um mecanismo que dispensa projetos executivos e plano de execução de obras. “Na realidade, estamos, de novo, querendo prestigiar a elaboração de projetos básicos e de projetos executivos e o RDC dá um drible nisso”, declarou. FonteAgência Senado
 

Dia Internacional do Câncer

No dia 04 de fevereiro é celebrado Dia Mundial do Câncer. A data foi criada pela União Internacional de Controle do Câncer (UICC) para reforçar a importância de adoção de hábitos saudáveis, atitudes de prevenção, diagnóstico precoce e tratamento, fundamentais para o controle da doença.O diagnóstico precoce salva vidasO diagnóstico de câncer nem sempre é fácil. Porém, quanto mais cedo for descoberto o câncer, maior é a chance de cura para o paciente. Por isso, é importante que profissionais da saúde e todos os cidadãos saibam sobre a necessidade da detecção precoce no tratamento da doença. É importante manter a frequência regular dos exames de rotina e, caso identifiquem algum sinal diferente, deve-se procurar um médico para obter uma avaliação técnica.Escolha um estilo de vida saudávelAtravés de um estilo de vida saudável é possível reduzir, em mais de 1/3 o risco de desenvolver diversas doenças, dentre elas, o câncer. Não fumar, manter-se fisicamente ativo e consumir alimentos e bebidas saudáveis são atitudes que fazem a diferença.Crie ambientes saudáveisAtravés de estímulos a adoção de medidas que motivam a prática de hábitos saudáveis em nossas rotinas, podemos transformar escolas e locais de trabalho em ambientes saudáveis. Como? Com refeições nutritivas e ensino prático sobre alimentação saudável, tempo para recreação e prática de esportes. Ambientes saudáveis são importantes aliados na prevenção do câncer!#diamundialdocancer #junteseanós #nóspodemoseuposso
 

EUA desmontam esquema gigante de fraudes em Saúde

O Departamento de Justiça norte-americano anunciou, na última quarta-feira (22/6), os resultados de uma força-tarefa que identificou fraudes na área de saúde no valor de centenas de milhões de dólares. Essa é a maior apreensão na história – tanto em termos de número de pessoas acusadas, quanto ao valor do prejuízo, de acordo com a instância. A maioria dos casos que estão sendo processados envolve faturamentos fraudulentos para Medicare e Medicaid e tratamentos que nunca foram prestados. Os números são surpreendentes: 301 pessoas em todo o país foram acusadas de desviar cerca de US$ 900 milhões. A força-de-ataque, formada em 2007, partiu de uma iniciativa conjunta entre os departamentos de Justiça, de Saúde e de Serviços Humanos. O grupo já realizou apreensões e prisões resultando em mais de mil pessoas acusadas de fraudar US$ 3,5 bilhões nos cuidados à saúde. Em um dos casos, uma clínica de Detroit – na verdade uma fachada para esquema de narcóticos – desviou mais de US$ 36 milhões. Um médico no Texas foi acusado de participação em esquemas para fraudar a Medicare cobrando por serviços muitas vezes não fornecidos. E na Flórida, o proprietário de várias clínicas de infusão é acusado pelo governo federal de fraudar a Medicare em mais de US$ 8 milhões em transação com reembolso de drogas intravenosas nunca compradas ou aplicadas em doentes. No Brasil – “O combate à fraude na saúde pública e privada também é uma grande preocupação no Brasil. Exemplo disso foi o crescimento desmedido dos custos na área Órteses, Próteses e Materiais Especiais (OPME), que motivou a instalação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), em 2015, para investigar a chamada Máfia das Próteses”, afirmou Sandro Leal Alves, superintendente de Regulação da FenaSaúde (Federação Nacional de Saúde Suplementar) – entidade representativa de operadoras de planos e seguros de assistência médica. De acordo com Leal, as OPME são itens que respondem, em média, por 20% dos gastos referentes a internações hospitalares, um custo variável de acordo com cada carteira de plano de saúde. Além de contribuir de forma significativa para a elevação da inflação médica, são muito exploradas comercialmente e foco atraente para fraudadores. Em janeiro de 2015, a Portaria Interministerial nº 38 (Ministérios da Saúde, Justiça e Fazenda) instituiu o Grupo Técnico Interministerial (GTI). São suas atribuições: propor medidas para a reestruturação e ampliação da transparência do processo de produção, importação, aquisição, distribuição, utilização, tributação, avaliação e incorporação tecnológica, regulação de preços, e aprimoramento da regulação clínica e do acesso dos dispositivos médicos (OPME) em território nacional. A FenaSaúde integra o Grupo de Trabalho Externo (GTE) de OPME. Essa frente foi constituída para realizar, no âmbito da ANS e ANVISA, o acompanhamento e o gerenciamento da implementação do conjunto de propostas definidas no relatório final por recomendação do Grupo Técnico Interministerial (GTI-OPME), voltado a induzir melhores práticas no mercado de dispositivos médicos implantáveis. O GTI produziu relatório com avaliação e recomendações com foco nos Dispositivos Médicos Implantáveis (DMI) – Órteses e Próteses ligadas ao ato cirúrgico. Dentre as mais importantes, vale destacar: adoção de registro, nomenclatura e classificação únicos para os DMI; construção de um sistema de informação para fins de monitoramento dos preços; promoção da transparência, com o desenvolvimento de ações educativas para disseminar informações sobre os direitos do consumidor; definição de parâmetros de garantia da eficácia e segurança para o uso dos dispositivos médicos; elaboração de Projeto de Lei (PL 2.452/15) para criminalizar condutas irregulares em razão da comercialização, prescrição ou uso de dispositivos médicos implantáveis; e, por fim, criação de uma divisão especial de combate à fraude e crimes contra a saúde no âmbito da Polícia Federal. Fonte: CNN