Seguro Auto Popular. Quem aposta nele?

A regulamentação do seguro popular de automóvel abre um novo horizonte para as seguradoras brasileiras. Em um cenário de retração econômica, com queda de 28% nas vendas de automóveis no primeiro trimestre do ano (dados Anfavea), e de inúmeras possibilidades da economia colaborativa, o mercado precisa inovar para continuar vivo.

A publicação da resolução do produto (Resolução 336/16) trouxe luz para discussões envolvendo entidades, seguradoras e corretores sobre pontos que realmente impactam no custo final da apólice. Estima-se que a redução do preço pode partir da ordem de 10%, mas o número pode crescer. Por isso, o debate com todos os players é de fundamental importância.

A utilização de peças genéricas é um dos pontos cruciais para garantir o efetivo impacto no preço e na satisfação do motorista. Essa ponderação está fundamentada na análise de que a quantidade de peças necessárias não seria suficiente para suprir a demanda de reparo dos veículos atualmente em circulação pelas ruas. Uma simples conta pode exemplificar essa questão, uma vez que a cada 100 colisões de trânsito, 10 são perdas totais. Ou seja, o restante, as demais 90 ocorrências, necessitam das peças provenientes dos automóveis que sofreram as chamadas perdas totais para a realização da reparo. Com a utilização das peças genéricas, que são fabricadas com as mesmas especificações das peças originais, essa questão poderia ser resolvida de forma mais rápida e econômica.

Existe uma frota enorme de veículos que circulam sem seguro e um mercado consumidor inteiro ávido de opções cada vez mais tecnológicas, econômicas e inteligentes. Acreditamos no crescimento do setor e na oferta de apólices modulares para seguir no desenvolvimento do mercado brasileiro.

* Sérgio Barros, diretor de Produtos de Automóvel do Grupo BB e Mapfre

 

Fonte: Revista Apólice

 

ANS lança cartilha sobre prazos de atendimentos

O atendimento às necessidades de saúde dentro do prazo é uma obrigação dos planos de saúde. A rede assistencial, incluindo hospitais e consultórios, deve estar preparada para oferecer os serviços contratados pelos consumidores de forma adequada e em tempo oportuno. Para orientar os beneficiários de planos de saúde sobre o assunto, a ANS lançou uma cartilha sobre os prazos máximos de atendimento na rede credenciada. A cartilha tem informações importantes sobre a realização de consultas, exames e cirurgias. Tudo de forma clara e objetiva.De acordo com o material, urgências e emergências devem ser atendidas imediatamente. Já os exames de análises clínicas, em até três dias. Consultas como as de pediatria, ginecológica e odontologia, podem ser realizadas em uma semana. Serviços diagnósticos, de terapia e de sessões com psicólogo ou fonoaudiólogo devem ser fornecidos num prazo de até 10 dias. Já algumas especialidades médicas podem ser feitas em duas semanas. Os procedimentos de alta complexidade e internação eletiva têm até 21 dias para serem atendidos.A cartilha esclarece que o atendimento poderá ser realizado por qualquer profissional ou estabelecimento de saúde que faça parte da rede de prestadores da operadora de plano de saúde contratada. Não por profissionais específicos.“Dar transparência a informações de interesse do cidadão é um dos objetivos do trabalho desenvolvido pela ANS. Dessa forma, estimulamos o empoderamento dos beneficiários de planos de saúde quanto aos seus direitos. Por isso, a ideia é informar ao consumidor, de forma clara, transparente e em linguagem fácil, as regras sobre os prazos de atendimento”, diz a diretora de Normas de Habilitação dos Produtos (Dipro), Karla Santa Cruz Coelho.Outras informações da ANSA publicação informa também sobre áreas de cobertura de planos de saúde, orientações sobre reembolso, como agendar uma consulta ou procedimento, necessidade de solicitação de protocolo de atendimentos, além dos canais de comunicação da ANS para registro de reclamações e a mediação de conflito.A cartilha sobre prazos máximos de atendimento está disponível em meio digital no portal da ANS, na seção Publicações.Veja no Anexo ou acesse: www.ans.gov.br .FonteRevista Apólice
 

Seguro garantia cresceu 21,9% até março

Dados oficiais da Susep indicam que o ramo garantia gerou, até março, um total de R$ 407 milhões em prêmios emitidos. Em comparação ao mesmo período do ano passado, houve um expressivo incremento de 21,9%. Segundo a autarquia, a Pottencial Seguradora assumiu a liderança do ranking do mercado no seguro garantia no final do primeiro trimestre. A companhia emitiu um volume de prêmios da ordem de R$ 69 milhões no acumulado de janeiro a março. Na segunda colocação ficou a Mapfre, com um total de prêmios emitidos de pouco mais de R$ 68 milhões. Os dados divulgados pela Susep indicam ainda que a J. Malucelli figurou na terceira posição do ranking do seguro garantia no trimestre, tendo emitido pouco menos de R$ 55 milhões em prêmios. Já a Pan Seguros ocupou a quarta colocação, com cerca de R$ 37,4 milhões.Fonte: Seguro Garantia.Net
 

Planos de saúde vão oferecer 18 novos procedimentos em 2018

Em janeiro de 2018 entrará em vigor a nova cobertura mínima obrigatória dos planos de saúde estabelecida pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). A Resolução Normativa com a atualização do Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde será publicada nesta quarta-feira (8/11) no Diário Oficial da União e estabelece a inclusão de 18 novos procedimentos – entre exames, terapias e cirurgias que atendem diferentes especialidades - e a ampliação de cobertura para outros sete procedimentos, incluindo medicamentos orais contra o câncer. Pela primeira vez está sendo incorporado no Rol um medicamento para tratamento da esclerose múltipla.A nova lista de cobertura passa a valer a partir do dia 2 de janeiro e atenderá 42,5 milhões de beneficiários que possuem planos de assistência médica e 22,6 milhões com planos exclusivamente odontológicos. O Rol é obrigatório para todos os planos de saúde contratados a partir da entrada em vigor da Lei nº 9.656/98, os chamados planos novos, ou aqueles que foram adaptados à lei. A lista de procedimentos cobertos pelos planos de saúde é atualizada a cada dois anos para garantir o acesso ao diagnóstico, tratamento e acompanhamento das doenças através de técnicas que possibilitem o melhor resultado em saúde, sempre obedecendo a critérios científicos comprovados de segurança, eficiência e efetividade. Confira os principais procedimentos incorporados no Rol Acesse a lista completa de incorporações do RolA diretora de Normas e Habilitação de Produtos da ANS, Karla Coelho, explica que a atualização do Rol é um avanço importante para os beneficiários de planos de saúde e os critérios de revisão devem estar em constante evolução, sem, contudo, perder de vista a preocupação com a sustentabilidade do setor e a suficiência e disponibilidade de recursos. “Os procedimentos incorporados são aqueles nos quais os ganhos coletivos e os resultados clínicos são mais relevantes para os pacientes. Todavia, é importante ressaltar que a inclusão de tecnologias é sempre precedida de avaliação criteriosa, alinhada com a política nacional de saúde, e contempla, além das evidências científicas, a necessidade social e a disponibilidade de recursos”, destaca. “A existência de rede prestadora, a facilidade de utilização, manuseio, obtenção e disponibilização da tecnologia, insumos e matérias-primas são aspectos relevantes considerados quanto à incorporação dos procedimentos”, detalha.A diretora ressalta que a decisão pela inclusão também leva em consideração a prevalência de doenças na população. “No Brasil, as doenças crônicas não transmissíveis possuem alta carga e impactam significativamente nos problemas de saúde em razão da mortalidade, morbidade e custos. A adoção da carga de doença como um dos elementos considerados na revisão, portanto, traz importantes subsídios para a tomada de decisão nesse processo”, avalia.A REVISÃO DO ROLA revisão do Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde faz parte de um processo contínuo e periódico realizado pela ANS. O normativo que atualiza a lista de coberturas foi elaborado após extensa discussão realizada no âmbito do Comitê Permanente de Regulação da Atenção à Saúde (Cosaúde), composto por representantes do governo, do setor de saúde suplementar e de órgãos de defesa do consumidor e depois passou por consulta pública para manifestação de toda a sociedade.“As revisões periódicas são antecedidas por amplos debates com representantes de todo o setor. Entre novembro de 2016 e março de 2017, realizamos 15 reuniões para discutir o assunto”, informa a diretora. Até o final do ano, a ANS formará um Grupo Técnico específico para propor melhorias na revisão do Rol. A ideia é discutir e aperfeiçoar o processo de incorporação para que se torne ainda mais qualificado e adequado ao cenário do país, especialmente no contexto do rápido envelhecimento populacional e custos crescentes relacionados à saúde.As considerações técnicas a respeito de cada uma das propostas estão disponíveis no portal da ANS. Confira aqui.CONSULTA PÚBLICAA Consulta Pública nº 61 ficou disponível no período de 27/06/2017 a 26/07/2017 e recebeu 5.259 contribuições online, sendo 53% de consumidores, 26% de contribuintes que se identificaram como ‘outros’, 13% de prestadores de serviço, 4% de servidores públicos, 3% de operadoras de planos de saúde e 1% de gestores. A maior parte das contribuições válidas recebidas refere-se à inclusão de procedimentos (50%), seguida por alteração de diretriz de utilização (44%). Das sugestões efetuadas via consulta pública, foram acatados para inclusão três novos procedimentos. Outros dois procedimentos já constantes no rol tiveram suas diretrizes de utilização alteradas para que sejam utilizados em pacientes que mais se beneficiarão com o uso das tecnologias.“Essa etapa é importante pois abre a possibilidade para que toda a sociedade se manifeste sobre a cobertura obrigatória. É o principal momento para a participação dos beneficiários nesse processo. A participação social é um instrumento fundamental para a construção das políticas públicas de saúde”, destaca a diretora Karla Coelho. As contribuições enviadas foram analisadas quanto à sua pertinência e conformidade com o regramento legal. Procedimentos e tecnologias cuja exclusão de cobertura esteja prevista na Lei nº 9.656/98 não foram analisados.